A fábrica-bar Cervejaria Nacional, conhecida por seu pioneirismo e inquietação nas panelas, aquece o mês que os supersticiosos tanto temem com dois lançamentos parrudos que prometem mexer com o frio da estação. Patrick Bannwart, mestre cervejeiro da casa, aposta em receitas que deixam os holofotes sobre os maltes. No dia 15 de agosto, quem chega às torneiras do bar é a versão 2017 da já querida Saravá, uma Imperial Stout caprichada que para este ano teve adição de chips de carvalho francês que foram embebidos em Bourbon. Já na última semana de agosto, no dia 29, é a vez da Banzai Wee Heavy preencher pints e provocar sorrisos nos cervejeiros de plantão.

A quinta edição da Saravá apresenta, como é característico do estilo, visual negro e espuma bege, cremosa e persistente. Este ano ela apresenta ainda mais potência alcoólica, alcançando os 11,5%, e na boca é como se o paladar recebesse um abraço. Complexa, a receita que teve adição de chips de carvalho francês durante a maturação tem sabores condizentes com os aromas que trazem à memória sensorial notas de chocolate meio amargo, cappuccino, côco e baunilha, elementos que se fazem presentes por conta da adição da madeira durante a sua produção. Com licoroso, a Saravá tem amargor médio alto e aftertaste bastante aquecedor. Quem quiser provar, foram produzidos 500 litros que serão servidos em taças de 250 ml (R$ 27).

A partir de 29 de agosto, quem se junta ao time da Cervejaria Nacional é a Banzai Wee Heavy. Menos potente do que a Saravá, tem 7,2% de abv e chega à linha de chope do brewpub cheia de história. Criada pelo cervejeiro artesanal Vinicius Arakaki, a cerveja foi premiada pelo concurso de caseiros promovido pela própria fábrica-bar, além de ter vencido o concurso Nacional das ACERVAS 2017. De visual marrom profundo, com espuma perolada e cremosa ela entrega ao nariz notas que remetem ao dulçor proveniente do malte com sutil toque de turfa (material de origem vegetal parcialmente decomposto, comum no solo da Escócia, usado para a secagem e defumação dos maltes, assim como o presente nos uísques escoceses – traz notas terrosas), traz notas que remetem a frutas passas, com um toque de baunilha, contribuição da madeira, já que a Banzai recebeu também chips de carvalho francês. Na boca, o amargor baixo e alto corpo trazem notas que equivalem aos seus aromas, o retrogosto deixa na boca um adocicado persistente. Na noite do lançamento a novidade será servido em pints (R$ 27 /570ml) em sistema de double chope das 17h às 22h.

Sobre a Cervejaria Nacional: A Cervejaria Nacional nasceu em 2011 no descolado bairro de Pinheiros na capital paulista. Foi pioneira no conceito de fábrica-bar (brewpub), tornando-se referência no universo das cervejas artesanais. Orgulha-se de ser uma empresa 100% brasileira e esta identidade se apresenta em seu cardápio, em seu serviço, em seu ambiente e em suas famosas receitas com a temática do folclore brasileiro. Além de suas cinco receitas fixas, todos os meses apresenta lançamentos sazonais, com pelo menos duas novidades em suas torneiras. “A hiperativa Nacional” – como passou a ser chamada – se tornou base para produções das mais variadas e criativas receitas cervejeiras. A casa também preza muito por ter uma cozinha de destaque, oferecendo um variado cardápio pensado para harmonizar a melhor comida com as melhores cervejas artesanais. Além de suas receitas engarrafadas a Nacional também oferece outros 50 rótulos de cervejas exclusivamente brasileiras, principalmente de produções do estado de São Paulo.

Cervejaria Nacional – Made in Aqui mesmo!
Endereço: Av. Pedroso de Morais, 604, Pinheiros – São Paulo/SP
Telefone: 11 4305-9368
Telefone para reservas: 11 3034-4318
Horário de funcionamento: segunda fechado; terça a quinta das 17h às 0h; sexta e sábado, das 12h a 0h; domingo, das 12h às 18h

Jana Portela

Paulistana, atua na área de Comunicação Visual e formada em Publicidade e Propaganda.